PORTUGUESA CASADA EXPERIMENTOU O CARALHO DE UM NEGÃO

É muito comum mulheres, casadas, ou não, terem a fantasia de ser fodida por um homem negro, desejarem experimentar o caralho de um negrão. Eu, Fatima estou entre elas! Sou casada e tenho o azar do meu marido não querer ser corno manso e me ajudar a encontrar um comedor afro para concretizar as minhas fantasias. Necessitei, portanto de recorrer a um garoto de programa de nome Elias. Na minha primeira vez com um negrão necessitei tomar algumas bebidas alcoólicas, pois nunca tinha dado a homem algum exceto ao meu marido. Abrir as pernas para um estranho meter onde apenas ele havia metido parecia-me ser um crime que ia cometer. Embora o meu desejo fosse experimentar um caralho volumoso, tinha receio de este ser demasiado grosso, ficar arrombada e o meu marido notar. Já no quarto do motel com o Elias, não conseguia mesmo disfarçar quanto estava nervosa e a vergonha que tinha de me expor nua na frente dele. O Elias até foi bastante amoroso comigo, portou-se como um namorado; com ambos inteiramente vestidos procurou excitar-me, beijando-me e acariciando-me, até que comecei a corresponder aos beijos de língua. Apesar de já bastante excitada não me atrevia a ficar peladinha. Deitei na cama só com calcinhas e sutiã. Ele sem qualquer pudor despiu-se totalmente. Quando vi o caralho dele fiquei assustada, receando não aguentar aquilo, além de enorme a grossura. Se não tivesse já parido um filho certamente iria doer muito!Ele começou por massagear-me os ombros, a nuca e a barriga; com um caralho tão rijo roçando em mim, não me contive em pegar para avaliar a grossura, punhetando-o durante momentos. Ele passou de seguida a massagear-me os pés, as pernas e as coxas, especialmente o interior destas, tocando como casualmente no meio das pernas, verificando ele que as calcinhas estavam mais que molhadas. Regressou aos meus peitos, tirou o sutiã, ficando assim com as maminhas ao leu e os mamilos bem salientes, que de imediato abocanhou, chupando e lambendo. Eu não me contive mais uma vez e meti na boca na rola dura. Dado a sua grossura, foi difícil entrar na boca; chupei apenas a cabeça.Elias continuou a beijar-me a barriga até ao umbigo; despiu-me as calcinhas e os seus lábios e a língua logo atingiram o meio das minhas pernas, beijando e lambendo as virilhas, provocando-me ondas de prazer, esperando eu a todo o momento o contato onde mais desejava, não tardando sentir dedilhar o clitóris e lamber os lábios da buceta, alternando com a introdução e alguns dedos nela! O meu desejo era mesmo que aquele pau negro entrasse em vez dos dedos. O Elias constantemente dizia: Como és linda, que beleza, grande prazer tenho em te foder. Vi que colocava uma camisinha naquela verga preta. Só lhe pedi: Isso é muito grosso mete lentamente! Sim, fica tranquila. Ele foi metendo lentamente. Aquilo alargava o canal conforme ia entrando. Senti que bateu no útero, uma dor gostosa. Ele estava em cima de mim, beijava-me enquanto movimentava um vai vem, roçando sempre no clitóris. Os orgasmos eram continuados, eu gemia e gritava de prazer. Mudamos de posição, fiquei na posição de quatro assim entrava mais fundo, mas era delicioso. Pediu-me depois para cavalgar, obtendo eu também assim intensos orgasmos. Deitei-me na beira da cama, com ele de pé, abriu-me as pernas e elevou-as. Naquela posição via bem como aquela geba negra entrava e quase saía da buceta. Ele ainda pediu para meter no cuzinho, mas não deixei. Era muito grosso. Gozamos intensamente.Saímos outras vezes que não aceitou qualquer pagamento, prontificando-se ainda a repetir sempre k eu desejasse, ficando o motel a meu cargo. Foi ainda melhor, até dei o cuzinho.

Leave a Comment